Apesar de estarmos em 2020, falar sobre saúde mental ainda é um grande tabu. Isso acontece porque tais questões não são reconhecidas como doenças involuntárias, mas ainda taxadas como sentimentos passageiros ou decorrentes da vontade, ou, falta de vontade dos/as indivíduos.
Questões de saúde mental tem se alastrado cada vez mais pelo mundo inteiro, principalmente entre os jovens, e as principais doenças que se desencadeiam são ansiedade e depressão. Registradas como as principais causas de incapacidade, contribuindo para a carga global de doenças, e ainda, podendo impulsionar outras doenças, e também as tentativas de suicídio.

A depressão é conhecida como um transtorno mental que pode causar principalmente mudanças de humor, tristeza crônica, desânimo, perda de interesse e dificuldade em realizar atividades cotidianas, mesmo as simples ou antes encaradas como prazerosas, distúrbios de sono e de apetite. O corpo físico também pode sofrer destes sintomas, além de prejudicar as relações sociais e profissionais.
Não há uma resposta única, um gatilho único que desencadeie a depressão.

Ela pode decorrer de diversos momentos de tristeza e dificuldade vividos por uma pessoa, assim como pode ser ocasionada por fatores biológicos e psicológicos, até mesmo hereditários, ou ainda, pode ser resultado do ritmo frenético em que vivemos neste século.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) há atualmente mais de 300 milhões de pessoas no mundo que vivem com a depressão, sendo a quarta doença de maior impacto global. Apenas metade delas recebe tratamento. Há cerca de 800 mil mortes anuais por suicídio, sendo o número de tentativas muito mais alto.

É importante nos atentarmos para como os transtornos de saúde mental estão também muito presentes no ambiente e relações com o trabalho.
Os sintomas podem acontecer no ambiente de trabalho tanto quanto em casa. O/a trabalhador/a vê sua produtividade diminuir pois não consegue se motivar para cumprir suas atividades. A constante cobrança e pressão para o cumprimento de metas podem contribuir para o aparecimento do transtorno.

É importante destacar que um ambiente de trabalho que não oferece espaço para boa comunicação torna-se mais propenso ao aparecimento da depressão, da ansiedade ou mesmo das tentativas de suicídio.
É comum que uma pessoa com questões de saúde mental acabe sendo julgada e tratada como desinteressada por seu trabalho, pois os sintomas podem ocasionar dificuldade de memória, dificuldade de tomada de decisões, organização, concentração e planejamento.
A empresa pode acabar tendo prejuízos em decorrência da condição dos funcionários/as, devido a faltas, queda de produtividade, e até mesmo necessidade de novas contratações pela rotatividade dos/as funcionários/as, além da necessidade de ampliação do seguro saúde.

Situações como discriminação, assédio, pressão, demandas e competitividade em excesso, relacionamento abusivo e falta de reconhecimento podem ser gatilho para que tais transtornos se desenvolvam.
Nesses casos, o/a trabalhador/a necessita de ambientes que contribuam para qualidade de vida.
Mas, o que pode contribuir para a saúde mental dos/as trabalhadores/as?
• Oferta de treinamentos e capacitações;
• Possibilidade de crescimento profissional;
• Espaço de acolhimento que demonstre que a pessoa é vista em seu ser como um todo e não apenas em seu cumprimento de metas, que ela é respeitada;
• Abertura para expressão de ideias, trocas e propostas;
• Criar um ambiente laboral que não permita qualquer tipo de julgamento ou perseguição em relação ao estado físico ou mental dos/as colegas;
• Assegurar que a diversidade seja bem-vinda;
• Comunicação preventiva sobre saúde mental entre os/as trabalhadores/as para que todos/as possam ter um olhar atento ao reconhecimento dessas questões, sejam para os/as que estão sofrendo, ou para as pessoas ao redor destes, educando para prevenção de suicídio, sabendo que qualquer pessoa pode passar por isso e deve haver compreensão e empatia;
• Ter uma equipe preparada para identificar e oferecer assistência aos trabalhadores/as em risco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *